Richard Francis Burton


Richard Francis Burton - Richard Francis Burton - (1821-1890)

Richard Francis Burton foi um escritor, tradutor, linguista, geógrafo, poeta, antropólogo, orientalista, erudito, explorador, agente secreto e diplomata britânico.

Das explorações e aventuras como agente e estudioso na Ásia e África aos escândalos e controvérsias que permearam sua vida, Burton é sem dúvida uma das personalidades mais extraordinárias e fascinantes do século XIX. Falava 29 idiomas e vários dialetos, sendo perito na arte do disfarce, o que possibilitou-lhe nos seus anos de militar na Índia e em Sindh viver entre os povos do Oriente, os quais registrou em uma série de livros. Estudou os usos e costumes de povos asiáticos e africanos, sendo pioneiro em estudos etnológicos. Viajou à cidade sagrada de Meca, mortalmente proibida a não muçulmanos, disfarçado de afegão, e junto com John Haning Speke explorou a região dos Grandes Lagos africanos, sob a alegação de buscar as nascentes do Nilo, mas com o verdadeiro propósito de levantar um conjunto de informações sobre os possíveis recursos da África Central e intertropical.

Burton possuía uma natureza explosiva e irascível. Ao longo de sua vida foi ao mesmo tempo um brilhante linguista e aventureiro temerário, bem como uma figura complexa e polémica. Traduziu obras clássicas que contribuiriam para ampliar a visão ocidental sobre o sexo. As mais conhecidas foram o “Kama Sutra” (1883); o livro das Mil e Uma Noites, sob o título “Noites Árabes” (1885), cuja tradução causou frenesi entre os vitorianos devido a uma série de notas polémicas consideradas, e também por seu erudito "Ensaio Final", onde apresenta a história, os usos e costumes, os princípios e a religião de vários povos, além de relacioná-los com outras culturas. Traduziu também “Os Lusíadas” de Luís Vaz de Camões, para o inglês, em 1880.

Em 1886, Burton foi agraciado com o título de cavaleiro pela Rainha Vitória, por seus serviços prestados a Inglaterra, e recebeu o consulado de Trieste, em 1872, como um exílio, comparando-se ao poeta latino Ovídio quando este havia sido banido por sustentar opiniões impopulares. Não pode-se deixar de fazer uma analogia entre o nome Trieste e a obra de Ovídio composta no exílio, “Os Tristes”. Na manhã de 20 de outubro de 1890, Burton faleceu vítima de um ataque cardíaco.



Obras do Autor



EDITORA LANDMARK LTDA.
Rua Alfredo Pujol, 285 - 12º andar - Santana - 02017-010 – São Paulo - SP - Brasil
Tel.: +55 (11) 2711 2566 / 2950 9095

[email protected]