Henryk Sienkiewicz

     

   Autores

   
Obras do Autor
   
Henryk Adam Aleksander Pius Oszyk-Sienkiewicz (Wola Okrzejska, Polônia, 5 de Maio de 1846 - Vevey, Suíça, 15 de Novembro de 1916) foi o mais renomado e prolífico dos escritores poloneses da segunda metada do século 19, nasceu em Wola Okrzejska, no território polonês ocupado pelo Império Russo. A família de seu pai esteve ativamente engajada nos esforços revolucionários em prol da independência polonesa, esforços estes constantes nos elementos patrióticos constantes de sua obra. Sienkiewicz estudou em Varsóvia, sendo que cedo tornou-se renomado como um grande escritor. Suas primeiras obras são crônicas satíricas que demonstram uma forte consciência social. Em 1876, empreendeu uma viagem aos Estados Unidos da América, sendo que as impressões desta viagem foram reunidas em um periódico polonês. O material coletado nesta viagem lhe proporcionou tema para uma série de obras e pequenos romances, entre eles, o conto "O Guardião do Farol", publocado em 1882.

Após o seu retorno à Polônica, Sienkiewicz devotou-se aos estudos históricos, resultando em uma trilogia sobre a história da Polônia de meados do século 17: "Entre a Espada e o Fogo", "O Dilúvio" e "O Caldeirão de Miguel" foram publicados respectivamente em 1884, 1886, e 1888. Seus romances históricos acompanharam a publicação de obras de temas contemporâneas, como "Ausência de Dogma", de 1891, um estudo psicológico sobre a decadência de um homem sofisticado e "Os Filhos das Campinas", um romance pastoril, publicado em 1894. Em 1895, Sienkiewicz publicou o seu maior sucesso, "QVO VADIS", um romance histórico sobre as perseguições aos cristãos durante o governo do Imperador Nero de Roma.

Em seus últimos romances, ele retornou aos grandes temas históricos poloneses: "Krzyzacy", publicado em 1900, ambientado durante a Idade Média, apresenta a vitória dos poloneses sobre os conquistadores teutônicos; "Sobre o Campo da Glória", publicado em 1906, é uma sequência da sua primeira trilogia sobre a história polonesa do século 17. Seus últimos trabalhos - "Redemoinhos", de 1910, e "Sobre Desertos e Descampados" - novamente tratam de temas contemporâneos.

Sienkiewicz foi tremendamente popular não só entre os seus compatriotas quanto no mundo literário como um todo. Em 1905, recebeu o Prêmio Nobel de Literatura e é considerado um dos mais brilhantes escritores da segunda metade do século 19.
   
Affonso Romano de Sant`Anna
Afonso Rodrigues de Aquino
Albert Pike
Alberto José Marchi Macedo
Alejandro Maciel
Almir Correia
Anne Brontë
Bram Stoker
Celso Abrahão
Charles Dickens
Charlotte Brontë
Christopher Knight
Cláudio Cruz
Dante Alighieri
Eça de Queirós
Elizabeth Gaskell
Emily Brontë
F. Scott Fitzgerald
Fábio Cyrino
Fernando Klein
Gaston Leroux
Guy de Maupassant
Henry James
Henryk Sienkiewicz
Herman Melville
Jane Austen
Johann Wolfgang von Goethe
John Buchan
John Donne
Jonas Ribeiro
José Castellani
Joseph Conrad
Jules Verne
L Frank Baum
Lew Wallace
Ligia Maria F. Cyrino
Márcio Tadeu Anhaia de Lemos
Mary Shelley
Oscar Wilde
Percy Shelley
Regina Drummond
Ricardo Maffia
Robert Lomas
Robert Louis Stevenson
Rudyard Kipling
Sérgio Olímpio Gomes
Tânia Mara Marques Granato
Thomas Carlyle
Vasco Graça Moura
Virginia Woolf
Vitor Alexandre Chnee
William Shakespeare